Kirby não é um deus, Lee não é um vilão

Este ano de 2017 é o ano de centenário de Jack Kirby. Se estivesse vivo, completaria 100 anos. Hooray. Mas calma que nem tudo é tudo isso.

Para um contexto histórico, Jack Kirby foi um grande desenhista. Após passagens pela Timely (pré-Marvel) e DC, ele é o responsável pela criação visual do Universo Marvel como o conhecemos. Já havia criado o Capitão América e, juntamente com Stan Lee, criou os Vingadores, os X-Men, entre outros, além de ser o padrão para o estilo de arte aplicado em outras obras como Demolidor e Doutor Estranho. Outros desenhistas eram orientados a seguir o padrão de Kirby, e não é por menos. Kirby redefiniu o que se entende pela linguagem visual de quadrinhos, com mais dinamismo e explorando mais o extraordinário. A primeira edição de Quarteto Fantástico já apresenta algo diferente do que era feito antes.

Porém, infeliz na Marvel depois de um tempo, foi para a DC, onde criou os Novos Deuses, Darkseid e Senhor Milagre. Voltando à Marvel, ainda criou o Homem-Máquina.

Depois, partiu para a animação, e para criar novos personagens, agora totalmente pertencentes a ele.

Ultimamente, por conta do centenário, muitos falam de Kirby e de sua obra. Alguns usam a denominação dada por Stan Lee nos anos 1960, Rei, para falar dele, até mesmo elevando para um posto de deus. Aliás, Mark Waid brincou com isso: quando o Coisa morre e o Quarteto Fantástico vai até o céu, e Deus é descrito… como Kirby. Conversando com Stan Lee.

Mas fato é que ninguém deveria ser considerado deus ou o diabo. O extremismo está fazendo com que as pessoas se esqueçam de alguns pontos e, nisto, quem mais sofre é Stan Lee. Stan Lee, o velhinho que aparece nas produções da Marvel, que criou praticamente toda a base do Universo Marvel como o conhecemos (ao mesmo tempo que era o editor).

Kirby foi, de fato, pessimamente tratado através dos anos pela Marvel. Suas artes originais foram devolvidas bem lentamente, e somente depois de muitos protestos. Existem relatos que suas artes eram usadas até como piada na redação. Sua atitude de ir pra DC e, posteriormente, para a animação e a publicação independente, tem a ver com essa mágoa.

Mágoa esta que o fez passar a acusar Stan Lee de não ter criado nada, de ter tomado posse de suas criações e, pior ainda, de que ele e a Marvel fizeram com que Kirby não fosse considerado autor de nada, ainda mais pela frase “Stan Lee apresenta” que por muito tempo foi usada nos gibis da editora. Somando isto às eternas lendas que Stan Lee utilizou para sua persona midiática, temos aí o vilão perfeito para o heroi perfeito que seria Kirby.

Mas não se engane. Kirby não é um deus, e Lee não é um vilão.

Se por um lado devemos lembrar que Stan Lee criou várias lendas, por outro é preciso dizer que, de uma forma ou outra, Stan Lee manteve toda a linha Marvel rodando sendo o único roteirista. Ele só o deixou de ser quando chamou o irmão, mas ele teve de criar um novo formato de argumento para poder dar conta, e este formato é usado até hoje. Stan Lee é uma figura perfeita? Não. A partir do momento em que o público passou a reconhece-lo, usou isso para fama e, ao mesmo tempo, buscando viabilizar projetos multimídia – mas em contrapartida deu créditos aos desenhistas. Heroi? Difícil dar o título, mas vilão com certeza não é uma descrição justa.

Agora devemos analisar também que Kirby, enquanto parceiro criativo de Stan Lee, criou alguns dos personagens mais memoráveis desta mitologia moderna mas, ao ir pra DC, buscou ter sua própria mitologia. O Quarto Mundo é, sim, incrível, mas o conceito foi muito melhor que a execução, tanto que Darkseid se tornou um dos maiores vilões do Universo DC sob outros roteiristas. E, nisto, devo dizer que nenhuma das criações de Kirby é incrível e com infinito potencial quando cuidada por ele. Os Eternos são uma nova versão do Quarto Mundo. As criações posteriores beiram o pastiche. E, se queres julgar pelo que ele produziu pela Marvel, e que deveria ter propriedade, é bom lembrar que ele era pago para aquilo.

Portanto, calma. Mais na terra que no céu ou no inferno. Só conheça e curta as produções de Lee e de Kirby, juntos ou não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *